sexta-feira, 6 de maio de 2011

Aprendizagens do Voluntariado

Como já aqui disse faço voluntariado, uma vez por semana.
O objectivo é fazermos um acompanhamento, que não seja de um médico ou terapeuta, a jovens que foram mães muito cedo e, cuja realidade, é muito...muito diferente da nossa.
Acho que tive imensa sorte na rapariga com quem fiquei, houve empatia. Ela foi mãe aos 16, já não gostava da escola e, depois de engravidar deixou na totalidade, saiu de casa e quis ir viver com o namorado..que vive num carro. Coisas normais para ela.
Independentemente das coisas que eu posso estar, ou tentar, ajuda-la, sinto que ela também tem tido um papel importante.
Ás vezes dou por mim a pensar que ela quase, sem saber, é que faz voluntariado. É impressionante porque, pelo menos falo no meu caso, nós tomamos consciência que nem toda a gente tem as mesmas ideias, objectivos, forma de ver as coisas e sorte. Aprendi também a não criticar porque, se para mim, é óbvio, para elas pode não ser porque tivemos aprendizagens e modos de vida muito diferentes. Não podemos sentir falta de coisas que não vivemos.
Eu vivi numa casa confortável, com harmonia, amigos,cheia de brinquedos, com regras (muitooo importante) e uma familia preocupada e com estabilidade. Nunca houve falta de nada.Se para mim, sei lá..é obvio que não posso bater numa professora, para outros não é porque as coisas são para ser resolvidas assim. Se este é o exemplo que têm em casa, então onde está a anormalidade da situação?
Seria o mesmo que eu dizer vos, que tudo o que vos foi ensinado, pelos vossos pais, está errado. Eu não admitia, e vocês? Pois...eles claro que também não.
Com ela tenho percebido que tenho imensa gente, fantástica, à minha volta, tenho uns pais óptimos, tenho familia, amigos, possibilidade de viajar, conhecer outras culturas. Sei lá...tenho tantas coisas que, no meu mundo, parecem normal e afinal,uma certa percentagem, foi sorte.
Sorte porque eu acredito que nascer numa casa equiibrada, ou não, é logo o nosso primeiro "tiro",ou não, de sorte. Isso não escolhemos, simplesmente acontece.
Quem não tem as mesmas oportunidades, as oportunidades médias, e consegue alcançar grandes metas, é digno de lhe tirar o chapéu!
E preenche-me a alma, sinceramente!

6 comentários:

  1. Admiro bastante quem faz voluntariado. A minha mãe faz no IPO, por isso compreendo tudo o que implica. Parabéns!

    bjs*

    ResponderEliminar
  2. Bem, uma das tuas melhores publicações. Concordo 100% com o que aqui dizes. O voluntariado está a ser proveitoso para ambas. É uma "win-win situation" :)

    ResponderEliminar
  3. No voluntariado existe sempre ganhos de ambas as partes, acredito até que fazemos voluntariado e ajudamos os outros porque também nós o precisamos de fazer, é algo que nos preenche e nos faz sentir bem, eu sei que esta perspectiva não é assim muito agradável porque no fundo não parecemos tão altruistas, mas não dignifica menos o acto de ajudar, pelo contrário, acho que ajudar os outros é sempre fantástico e fico sempre surpreendida com a capacidade que tantas pessoas têm de se dar aos outros e abdicar do seu tempo para os outros...acho então que tu, como algumas pessoas que tenho o prazer de ser amiga têm essa característica inata...acho fantástico e continua...

    ResponderEliminar
  4. Acredito que seja mesmo gratificante fazer voluntariado, é uma das coisas que desejo um dia vir a experimentar :)

    ResponderEliminar
  5. fazer voluntariado é dar e receber, e a maioria das pessoas nem se apercebe do que recebe!

    ResponderEliminar